Monday, July 18, 2011

Delenda Olavo! Pelo Bem do Brasil!



O "filósofo" Olavo de Carvalho e seu indefectível cigarro
 Lemos há alguns dias um artigo de Sidney Silveira, no blogue Contra Impugnantes, em que ficamos sabendo de mais uma “pérola” do “filósofo” Olavo de Carvalho. Em seguida, fomos diretamente ao sítio pessoal do autor de O jardim das aflições e lemos o texto que contém a referida “pérola”, que se constitui na afirmação de que o “neotomismo de Leão XIII” não seria uma filosofia, mas uma ideologia, um programa de ação coletiva destinado “a moldar ou remoldar o mundo” segundo as aspirações de seu tempo e de seus “mentores”, não tendo, pois, a intenção de interpretar o mundo, mas sim de transformá-lo.

Pelo que diz o texto de Olavo de Carvalho, o único tomismo autêntico seria o de Santo Tomás de Aquino, sendo todos os seus discípulos meros ideólogos, defendendo ideias abstratas e quiméricas, sem nenhum compromisso com a realidade. Nisto é claro que se equivoca o autoproclamado “filósofo”, que duvidamos que conheça a obra dos grandes pensadores tomistas que temos tido, de Egídio Romano a Tommaso de Vio, conhecido como Caetano, de Jerónimo Osório a João Poinsot, conhecido como João de Santo Tomás, de G. M. Manser a Gredt, de Victor Cathrein a Santiago Ramírez, de Garrigou Lagrange a Sertillanges, de Taparelli d’Azeglio a Cornelio Fabro, de Francisco Elías de Tejada a João Ameal, de Octavio Nicolás Derisi a Julio Meinvielle, de Leonel Franca a Alexandre Corrêa, para citar apenas alguns poucos dentre dezenas de relevantes vultos do Tomismo, cujos nomes, com efeito, certamente o Sr. Olavo de Carvalho desconhece em sua maioria.

Isto posto, cumpre ressaltar que o Sr. Olavo de Carvalho falou em “neotomismo de Leão XIII” e não, por exemplo, em “neotomismo de Maritain”, o que é, aliás, bastante natural, uma vez que são bem conhecidas as posições antiliberais de Leão XIII, do mesmo modo que é bem conhecida a defesa irracional do capitalismo liberal desumano, apátrida e anticristão constantemente feita pelo autor de O imbecil coletivo. É, aliás, bastante curioso o fato de Carvalho admirar Santo Tomás de Aquino, posto que o pensamento deste é integralmente avesso à ordem liberal tão virulentamente defendida por aquele.

Já havíamos escrito as linhas que vão acima, quando soubemos da enfurecida resposta de Olavo de Carvalho a Sidney Silveira e a Carta aberta e convite a Olavo de Carvalho, de Carlos Ancêde Nougué. Carvalho – a quem o que falta em cultura, formação religiosa, filosófica e moral e em argumentos abunda em palavrório do mais baixo calão – respondeu as justíssimas objeções de Silveira com uma enxurrada dos mais desprezíveis palavrões, o que, com efeito, só desqualifica o “nosso grande filósofo”. Isto motivou Nougué a escrever sua carta aberta a Carvalho, protestando pelo modo abominável pelo qual este tratou Silveira e o desafiando a participar com ele de três quaestiones disputatae transmitidas por videoconferência e com direito universal de acesso, sendo as referidas quaestiones disputatae as seguintes:

1) “As relações entre razão e fé e entre filosofia e teologia em Santo Tomás de Aquino”.

2) “Segundo a doutrina de Santo Tomás de Aquino, deve um teólogo-filósofo católico invocar o magistério da Igreja?”.

3) “É possível conciliar a doutrina ético-política de Santo Tomás com o liberalismo e a democracia liberal?”.

Esperamos de todo o coração que Olavo de Carvalho aceite o desafio de Carlos Nougué, tendo plena certeza de que o debate terminará com fragorosa derrota de Olavo de Carvalho, que, aliás, não sabemos como ainda não se cansou de ser vencido em debates...

Que a derrota do “nosso” pernóstico, megalomaníaco e paranóico “filósofo” no debate com Nougué seja tão somente o primeiro passo para a destruição do mito que se criou em torno dele e que suas últimas declarações contra o “neotomismo” sirvam para que mais católicos percebam o quanto as ideias dele são contrárias aos princípios da Doutrina da Santa Igreja.

Delenda Olavo! Pelo Bem do Brasil!



Por Cristo Rei e pela Terra de Santa Cruz!



Victor Emanuel Vilela Barbuy, São Paulo, 17 de julho de 2011.




4 comments:

Aruan João Baccaro de Freitas said...

Ok, Victor, nesse teu artigo você cometeu um dos maiores erros de julgamento possíveis...

Anderson Fortaleza said...
This comment has been removed by a blog administrator.
Victor Emanuel said...

Prezado Aruan, discordo. Considero o pensamento de Olavo - exatamente o oposto do autêntico pensamento católico - altamente pernicioso. Julgo, ainda, que Olavo, cujo único mérito, em minha modesta opinião, é inventar tramas conspiratórias fantásticas, não aceitou o debate com o Professor Nougué porque sabia que não tinha argumentos para debater com ele.

Patriota said...

Parabéns pelo blog e pela FIB, Victor!
Gostaria de saber qual o momento ideal para o integralismo formar um partido. Obrigado desde já, sou menor de idade mas em breve espero fundar um nucleo da FIB em Sergipe e filiar-me a esse grande movimento.

Anauê!